sexta-feira, maio 27, 2011

Há por aí alguém....

desempregado  e  com formação em educação especial ( ou semelhante) e que more perto do Seixal ?

Se houver escreva para grilinhamae@gmail.com.

quarta-feira, maio 25, 2011

Estados de espírito

Por vezes passamos por fases da vida que só nos apetece desaparecer e por isso a vontade de dar notícias não é nenhuma. Não estou assim agora.
Mas já passei por isso.  :(
Quando não estamos bem, não temos hipótese de dar atenção aos outros...
Terei afastado pessoas importantes para mim por essa razão  ?

Ocorreu-me hoje.

De pequenino se traça o crescido

Volta e meia leio registos antigos e é incrível como tudo aquilo que o JP transmitia com a idade de 16 / 18 meses é ainda o que o caracteriza.
Teimosia. Força de vontade. Perspicácia. Boa disposição.
A única coisa que revela mais agora do que antes é a capacidade de mostrar a quem ele gosta, os seus sentimentos e de exteriorizar gostos. Também é muito mais decidido. Sabe muito bem o que quer e raramente hesita. Ao mesmo tempo tem a humildade de pedir "desculpa" se errou. E fá-lo espontaneamente.
Diz agora com frequência que tem saudades  e que adora o pai, a mãe,  ir nadar...e mostra realmente que assim é.
A mãe está há 2 semanas quase imobilizada por causa de uma lesão na rótula e ele revela estar muito preocupado ( e eu também). Para além disso, amiúde surgem alguns problemas mais e só me vêm relembrar como a vida é bela e que temos de a aproveitar mesmo com condições realmente adversas.
O puto continua por fases. Agora tem algumas pancadas e durante algum tempo só fala disso. Aniversários, bebés, etc.
Um temperamento um bocadinho obsessivo. Mas acho que é tudo da idade.
Preocupa-me ele aperceber-se de quem gosta realmente dele de uma forma tão simples e intuitiva. É que depois mostra clara preferência por essas pessoas, magoando e alimentando o fosso dos que não lhes ligam tanto.
Esta manhã veio com uma conversa estranha que queria voltar para a antiga escola dele. Já tinha mostrado que tinha saudades e já lhe tinha prometido que faríamos uma visita. Depois conversámos e juntos reflectimos como todos que estavam agora com ele também gostavam dele e como ele também gostava dessas pessoas. Ficou mais aliviado. 
Mas eu continuo com imenso receio do ano que vem. Não pelas capacidades do JP. Estou muito tranquila sobre isso, mas por todos os obstáculos que virão e que teremos de derrubar. 
Já um destes dias o JP não pôde ir a uma visita de estudo por não ter auxiliar que o acompanhasse. Não consegui arranjar quem o pudesse fazer, porque não é fácil e a tristeza dele partiu-me o coração.
Por outro lado sei que estarei aqui para o que der e vier e para incomodar quem for caso disso. 

sexta-feira, maio 20, 2011

Eu triste, Pai doente

Foi o que o JP escreveu ontem a propósito do pai estar muito em baixo com uma gastroentrite e não ter conseguido ir trabalhar....
Sensível e lindo.

quinta-feira, maio 19, 2011

Quando for grande quero ser ...

Todos os dias à noite escrevemos as novidades que quer levar no dia seguinte para a escola. Se no início ficava atrapalhada com tanta imaginação (receava que o tomassem por tontinho) , agora vejo que apenas é uma grande dose de sentido de humor. Gosta de pôr todos a rir. Adora ser o "palhacito".
Ontem mais uma vez me fez soltar valentes gargalhadas na hora da escrita. Às tantas disse-lhe: " JP, tens é de ir para argumentista de séries cómicas". Ao que ele disse logo muito entusiasmado que sim...(lá se foi a "medicina", ehehe)

Quem sabe, quem sabe ?


terça-feira, maio 17, 2011

Delícia

O JP está uma delícia. Teve novamente um enorme salto na maturidade. 
Recebi um relatório de fim do segundo período que me deixou muito orgulhosa, referindo o seu grande sentido de humor, as suas interacções com os colegas, o seu bom nível de leitura e escrita e a melhoria da capacidade de esperar e colaborar em todos os aspectos. 
Sinto-o feliz e isso é maravilhoso.
Da minha parte, gostaria de estar mais animada, com melhores perspectivas.
Vontade de sair, ir embora.... deixar tudo aqui (menos a minha família) não me falta, mas também sei que não tenho esse direito. O meu mais-do-que-tudo tem cá toda a sua vida. Teria de abdicar de tudo por minha causa....
Quem sabe um dia ?
Mantenho o pensamento positivo e a esperança que tudo se vai recompor. Assim tento ao máximo aproveitar bem todos os bocadinhos com o meu pequenino que tanto me enche o coração e me contagia com a sua felicidade tão única !