sexta-feira, maio 31, 2013

Mais crescido

Cheguei a ter receio que não levasse os testes a sério. Fizesse uma birra.
Uma daquelas coisas comportamentais tão típicas dele.
Fico contente por não ter tido essa informação. Acho que esteve empenhado.

Comigo esforçou-se bastante, senti-o mais crescido e acredito que na realização dos testes também. 

Hoje, apesar de todas as adversidades, sinto que superámos uma qualquer prova de fogo.
Estou ansiosa por perceber o feed-back no fim deste ano lectivo.
Orgulhosa do meu JP.


A minha maior surpresa relativamente ao testes intermédios


É que o JP adorou estudar comigo. E eu com ele.
Os testes lá formam adaptados para computador e iguais ao da restante turma.

O teste intermédio de Português correu mais ou menos. 
O de matemática, correu bem a primeira parte e a segunda mais ou menos. 

Mas durante o estudo comigo notei que aprendeu imenso. Três conclusões posso tirar:

- o rapaz aprende com relativa facilidade.

- A fase de brincar com bonecos e imaginar veio no Pedro mais tarde, quando a Comunicação aumentativa estava consolidada. 
Talvez seja a justificação para a falta de imaginação para conseguir realizar composições.

- Muita falta de concentração. Notei que conseguia realizar contas e raciocínios elaborados mas depois faltava noções simples como "metade". Provavelmente teria passado um passarinho por ali, quando a professora explicou na sala de aula. Seja como for, pareceu assimilar rapidamente.
Ou seja, aprende bem, mas pior é captar a atenção.

Hoje ficámos a saber que para a semana temos os testes normais.
E eu disse: "Bem, então vamos continuar a estudar" e ele sorriu tão contente...
Só por isso, ganhei o dia !!!

Os testes intermédios

Como não podia deixar de ser mais uma saga "daquelas" para me arreliar...

Estava tudo assegurado há meses que vinham com uma semana de antecedência para serem "adaptados" atempadamente pelas professoras. 
Não seriam iguais mas muito equivalentes. Estava combinado há meses, de facto, mas na véspera nem sequer sinais dele. Vieram apenas os normais. 
Quando se questionou, responderam que as professoras, de segunda para terça, adaptassem. 

Mas as coisas não funcionam assim e nem tudo é fácil de adaptar...

Claro...vai de mail da mãe para o GAVE. Tive resposta. Sim, já tive, apenas para registar que me iriam dar uma resposta mais tarde e pela informação que o GAVE tinha, ele realizaria os testes.

O João Pedro realizou ambos os testes no dia mas graças à grande boa vontade das professoras que o acompanham...

E assim vamos neste país. Tudo em cima do joelho, e à espera que ninguém falhe na boa vontade.


segunda-feira, maio 20, 2013

Amizade Fraternal

Uma das coisas mais bonitas que existe é uma amizade assim entre irmãos. 
O Rafael dá festas na cabeça do JP, abraça-o longamente e todo ele é ternura quando olha para o seu mano mais velho.

O JP tem uma adoração quase paternal pelo bebé que ele viu crescer na minha barriga, com quem falou quase 9 meses através da minha pele e todo ele é orgulho e admiração pelo seu compincha.

É puro amor. 


O Rafael é um bebé activo, sempre disposto a ajudar. Quando me vê a fazer alguma coisa, tenta ajudar. Claro que ainda atrapalha mais do que ajuda, mas é tão delicioso ver a atitude voluntariosa dele...acho que vai ser uma pessoa muito bonita.
Dá uns abracinhos muito revigorantes e que nos faz ter força para TUDO.

O JP adora o Rafael e se vai para a escola sem o ver, diz-me logo que tem saudades.


Espero que mantenham esta amizade para toda a VIDA !


Melhorias no comportamento

Depois de ler as informações da avaliação no segundo período, percebi que o JP continuava com irregularidades no humor e que o comportamento estava muito aquém de tudo o que revelava em termos de aprendizagem. A aprendizagem era mais do que suficiente e o comportamento razava o inaceitável.
De qualquer forma, aqui em casa também achávamos que muitas birras não eram minimamente condizentes com a sua idade e maturidade noutras áreas.

Acabei por fazer a vontade ao meu marido e implementar aqui em casa, um sistema parecido com o da escola. 
Endurecemos de vez.

Uma bola vermelha (uma má informação da escola ou ATL), não tem uma certa regalia que ele gosta. 
À segunda bola vermelha (segundo mau comportamento ou birra), não pode ver mails, nem nada com internet (incluindo Skype). 
Antes já tínhamos castigos mas não éramos muito organizados e consistentes neste capítulo.

É um facto que passou a haver muitas noites que já nem vai ao computador. 
Mas ele parece-me agora mais estável e melhor comportado. 
Pelo menos aqui em casa melhorou francamente. Até tem alturas que parece ainda mais meigo e feliz.


Creio que também está mais motivado e empenhado na escola.
Aguardamos para ver se teve os efeitos pretendidos por lá, mas eu acredito que sim.

Temos andado a preparar-nos para os testes intermédios que ele terá no fim deste mês.
Ando a ensinar a estudar, que é muito importante.

Ele em muitas coisas, é apenas um miúdo normal.
Nós é que nos esquecemos disso...


15 meses- o que o Rafael já diz

Em cada dia aumenta o seu vocabulário.

O Rafael já diz:

- "mamã"
- "Dé"-papá
- Peixe - peixe
- "bó" - bola
- "tau-tau"- tau-tau
-"avó"- avó
- "mé-mé"- quando quer mama
- "Bau" - miau (ou seja o nosso gato)
- "bou-bou"- cão
- Pé- pé
- Pó-pó - carro
- Filho - Filho


e algumas palavritas mais...muito deliciosas para os nossos ouvidos.

Diz que o cão faz "bou-bou" , o Gato faz "Bauuuu" e a vaca "Muuuuuuuu !"

Já come o iogurte com a colher sozinho, sobe e desce degraus e está desafiador.
Um regalo.

quinta-feira, maio 09, 2013

Um trambolhão grave

Apenas registo aqui e nem vou aceitar comentários.

A 9 de Maio, o JP sofreu um valente trambolhão na escola. 
Deve ter sido por pouco que não partiu um maxilar. 
Mas saltou-lhe um dente (que felizmente era de leite). Também cortou o lábio, o que originou um mar de sangue. Ensopou a t-shirt até ao umbigo.
Eu tive de ser forte, muito forte. Nem acreditava que fosse tanto. 
Parecia bem e ele viu-me calma.
Fomos para as urgências. Tudo aquilo custou muito.

No dia seguinte, eu estava toda dorida no corpo e muito embaixo. Parecia que nem reagia.
Nem sequer vou falar mais disto. 
As pessoas envolvidas são amigas e foi um golpe duro tudo o que aconteceu. 

Já passou, aprendemos e queira Deus que nunca mais se repita.