sábado, setembro 19, 2015

Uma mãe normal

Ultimamente, à parte de ter de pensar nas inúmeras dificuldades que surgem no dia a dia, é como me sinto cada vez mais.

Tenho um  menino de 10 anos que vai para o 5º ano, que sabe ler e escrever, sabe fazer contas, aprende bem e memoriza. As terapias motoras são as mesmas, não vamos investir desmesuradamente nesse campo, porque nesta fase o resultado não é tão evidente e há mil e uma coisas que ele gosta e quer aprender. 
Adora inglês, adorava aprender programação ou robótica... voltar à natação e afins.

Na próxima semana, teremos o desafio de apresentar este menino tão diferente a 10 professores. 
E ainda uma cadeira eléctrica em espaço escolar e todos os desafios que implica esta criança tão diferente.  Coordenação do transporte escolar, ATL....
Preciso de respirar fundo só de escrever estas palavras.
Estamos com esperança de continuarmos a ter a sorte que tivemos até ao presente mas com muitas dúvidas que seja mesmo assim.

Eu olho para o JP e vejo uma das maiores riquezas da minha vida. O seu irmão perfeitinho (até à data), é igualmente especial e importante. Nenhum deles ocupa mais espaço no meu coração, pois continuo e sou completamente apaixonada pelos dois.

O facto de o JP ser tão sociável, facilita-lhe a vida. É um sedutor nato e adapta-se lindamente a conhecer imensas pessoas diferentes. É um miúdo de emoções e paixões fortes e as pessoas apaixonam-se e dedicam-se a ele na mesma moeda. 

Olho para as amizades que ele faz e comparo-me a mim própria na idade dele. 
Muito mais fechada na minha concha, não conversava com adultos com facilidade, com inúmeras intrigas à minha volta, invejas de colegas e conflitos de adolescente. 

Não tenho dúvidas que apesar de ele por vezes estar um pouco mais sozinho, relaciona-se de uma forma muito saudável com todos. Já tentei concluir se é da natureza dele, se foi da educação esmerada e atenciosa por ter sido o primeiro, se foi do Colégio onde andou que era muito voltada para os afectos, inteligência emocional e reflexões (Colégio - O cantinho dos amigos). 
Talvez a conjugação dos 3, tenha feito dele o doce de menino e persistente que é. 
Sim, tem graves problemas de desmotivação por vezes e nessas alturas tenho de ir lá abanar o coraçãozinho dele mas temos conseguido estar muito felizes e levar a nossa vidinha o mais normal possível.

Estou contente até onde chegámos....sim. Podia sempre estar mais. Natureza humana, acho.
Mas no geral muito feliz com o meu menino especial. Amo-o com todas as células do meu corpo.

quinta-feira, setembro 17, 2015

A delicia de ter uma criança de 3 anos

É repetir tanta coisa : reler histórias que já li com o meu maior, dar a conhecer o mundo aos poucos e encantar-me mais uma vez com o fascínio de todas estas novidades na vida de uma criança.

Ir ao parque, à biblioteca, à Ludoteca, aos teatros e tudo que tenha a ver com o maravilhoso mundo infantil. É rir com tudo e com nada, é partilhar as primeiras emoções verbalizadas. 
É conter um sorrisos nas teimosias vincadas.
É também sentir a maravilha de um abraço, de um beijo e de ouvir "adoro a minha mamã "kida" e fofinha ..". A loucura de um menino para o qual, o mundo é a sua família.

Adoro tanto ter um menino assim pequenino !!! 
Mais uma grande paixão...




O regresso das rotinas

Mais uma adaptação fácil. O JP mudou de ATL. 
Tem novos amigos, criou novas rotinas e lida com outras pessoas. Não consideramos nem melhor, nem pior.
É diferente e também bastante positivo para ele. 
Fomentam muito a leitura e o que é muito bom, já que ele adora ler, mas não tinha grande rapidez. Nestas semanas, melhorou muito.

Na segunda feira 21, vai começar novas rotinas numa nova escola, com novas pessoas.
Uma escola do 2º e 3º ciclo. Assustador !
10 professores. Medo por parte deles. Muitos mais medos nossos. 
A parte mais complicada de ter uma criança tão diferente.
Expectantes...


sexta-feira, setembro 04, 2015

As férias de 2015

Quando chegamos ao nosso período de férias, o meu coração divide-se inevitavelmente, entre a alegria de estar com os meus filhos e o receio de tudo o que está para vir. 
São os nervos de arrumar tudo para as viagens,  é relembrar-me  das 400 vezes por dia que vou ouvir o som "mãaaaaaaae !!!" (quer seja em forma de sintetizador de voz, quer seja com os berros esganiçados do mais pequenino).
Não é fácil, não. Mas acaba por ser tão bom, que deixa umas saudades imensas. 
Fizemos tudo o que já tínhamos feito outras vezes mas com o pequerrucho maior, já conseguimos passear mais. E por regra ninguém se deitava antes da 1 da manhã.
Aproveitámos muito as noites e treinámos bastante a condução da cadeira eléctrica do JP, lá na nossa aldeia pacata de noites tórridas. Lemos muito, ouvimos muitas histórias e quase não vimos televisão.
Sentimos os miúdos genuinamente felizes. 
Tivemos um verão em cheio, praia, piscina, passeios, pic-nics, campo, serra, saídas à noite, feiras...
Descobrimos ainda mais os nossos meninos. A meiguice e o miminho do JP. O seu feitio teimoso ainda não foi embora mas já se controla em algumas coisas, principalmente para não provocar  birras do irmão.
A capacidade do Rafael fazer amigos por onde passava e a sua comunicação já tão elaborada. 
Os deliciosos e constantes porquês e o cada vez maior poder de argumentação. Igualmente meigo e ternurento. E rimos. Muito.


O JP tem o humor inteligente. 
O Rafael é um palhacito em constante acção. Tudo o que faz é para fazer rir.
Estou certa que estas férias ficaram na memória e no coração do JP. 
O pequeno Rafa só tem 3 anos e meio e provavelmente nunca se lembrará mas ficará com elas no coração...
Nós também.