terça-feira, novembro 06, 2007

A força que aprendemos a ter

Actualmente sei que quando tenho um dia mau...é só aquele dia. Já me conheço o suficiente para saber que a minha capacidade de dar a volta e de encaixe, está muito treinada...para aguentar os golpes. Mas eles ainda aparecem por vezes.
Ontem tive reunião na Calouste Gulbenkian, entre a equipa de comunicação aumentativa, a terapeuta da fala e a professora da intervenção precoce do JP. Sempre me revoltei com gente que nem está disposta a tentar. Como se pode desistir antes mesmo de tentar?
O JP quando foi avaliado na Calouste Gulbenkian aos 17 meses, disseram-me que ele não era rápido suficiente para usar os braços e mãos, mas eu disse que talvez com o treino melhorasse...Pois agora estão inclinadas para o uso de uma grelha de teclado, onde as mãos são ainda mais solicitadas.
Só porque o meu menino chorou numa consulta inteira, quando tinha 1 mês de idade, já estavam preocupados com o seu potencial cognitivo. Felizmente essa pessoa já percebeu que estava enganada (embora que certezas só quando entrar para a escola...)
Mas continua a afectar-me esta forma de encarar as coisas. Felizmente não é a minha.

Tenho a sorte de ter um marido excepcional que pensa exactamente como eu. Que me dá a maior força. Tenho a sorte de ter amigos. Que me dão tanta força ! Tenho a sorte de ter um filho maravilhoso, que com todos os seus problemas, foi a melhor coisa que aconteceu na vida desta família.

Felizmente hoje é outro dia e "a sova" não deixou sequelas...só vontade de ser ainda mais teimosa.

22 comentários:

Tixa disse...

Porque as pedras no caminho ainda nos dão mais força para dar grandes saltos por cima delas e porque eu sei que vocês vão conseguir!!!!!!!!!!!!!!!
Um bj enorme e gosto dessa tua maneira de ser... como tenho aprendido.

Mãe Frenética disse...

Essa é uma grande qualidae, a de lutar mais qdo levamos as sovas...
Felizmente para o JP tu es assim!!!

Cristina disse...

Desistir? Essa palavra devia sair do dicionário.

Um irmão meu teve poliomielite (paralisia infantil) em bebé, ficou totalmente paralisado, fez sucessivas intervenções cirúrgicas, e só começou a andar por volta do 4 anos. Quando ele teve a doença, por volta dos 9 meses, há quarenta anos atrás, disseram à minha mãe que ele nunca iria andar de forma independente e que iria ter seríssimas limitações motoras, já que a paralisia era irreversível. A minha mãe não desistiu, perante um bebé de nove meses totalmente paralisado levou os meus dois outros irmãos mais velhos (também bebés na altura) para casa das minhas tias e passou todo o tempo livre dela a fazer fisioterapia, sim porque ela não tinha na altura meios de leva-lo a uma fisioterapeuta. É certo que ele só começou a andar com 4 anos e mesmo assim andava com um aparelho de metal nas pernas, mas recuperou, em adulto passou a coxear ligeiramente (quase sem se notar), formou-se em medicina e tornou-se médico sem que nenhuma limitação física o impedisse.

A minha mãe tinha todas as razões para desistir, só que não desistiu...

O JP tem a sorte de ter uma mãe que também não tem a palavra desistir no dicionário, por isso como dizia o jogador de futebol “Prognósticos só no fim do jogo”

Cristina
http://blogs.portaljunior.com/viverdevagar

Quicas disse...

Tens um miminho no meu blog...espreita-o.

bjocas

Simone Zellner disse...

sabe minha amiga, quando começei essa batalha, ouvi uma frase de uma pessoa que se tornou muito minha amiga, ela disse: não importa o digam do seu filho, ele sempre pode mais e mais, nunca acredite em diagnósticos e prognósticos, se alguém falar que seu filho não pode, arrume outro profissional!
e foi sempre o que fiz, fiz uma romaria entre médicos que diziam que quem precisava de tratamento era eu, pois meu filho era perfeito, somente tinha o "tempo dele"...nunca acreditei ou sequer deixei que terminasse de falar que ele não podia...eles podem TUDO, têm potencial, são capazes de muitas coisas que nem temos idéia ainda!!!
superar limites, sempre! beijos com carinho
PS: como JP está indo com o PECS? Gábriel está surpreendendo mais uma vez!!!

Luisa Rey disse...

Nós realmente temos a força, a obrigação e o amor para acreditar que os nossos filhos podem alcançar sempre o degrau mais acima, é realmente lamentavel que certos "profissionais" optem pelo caminho mais facil..........Nós fomos escolhidos para ser melhores, a selecção natural aqui aplica-se, temos de ser mais fortes que os predadores das esperanças...........acredito que somos e seremos melhores pais, melhores mães, melhores familias porque encaramos o desafio de ser diferente.

P.S. Obrigado pelo apoio, espero estar mais presente, um grande beijo, especial para o JP

paidopedro disse...

grilinha:
como deves imaginar, reconheço demasiado bem essas situações. acho que a estratégia deles é preparar-nos para o pior. talvez assim valorizemos mais todas as pequenas conquistas. mas talvez assim vamos também desacreditando nas avaliações e prognósticos que vamos ouvindo. já só me consigo zangar com as pessoas quando me parece que o mau prognóstico quer dizer que o investimento vai ser menor. pessoalmente, prefiro pessoas optimistas e que instilam força, como o fisiatra do pedro, que já várias vezes nos confessou que teve fases de grande apreensão quanto ao futuro, mas que as guardou só para ele. esses sim, dão-nos verdadeiras injecções de força, paciência e persistência, que é o que no fundo nós precisamos.
ainda bem que vais arranjando esses escudos de protecção. poupar forças e energias também é necessário.
beijos e abraços

Fatinha disse...

Força querida, adoro sentir a tua força, pois continuo a achar que és um belissimo exemplo de coragem e determinação.
Beijitos para voçes.

sil disse...

Teimosia costuma ser um defeito, no teu caso é uma grande qualidade...

O JP não podia ter "arranjado" melhor mãe...

Bjos
Sil

Rute Borges disse...

A isso se chama vida... O problema é quanto doi a sova, quanto machuca...
Em sintonia...
Beijo meu
(consegui comentar???)

Pensamentos Felizes disse...

Eu não acho que sejas teimosa. Diria mais preserverante e incansável o que é uma grande virtude.
beijinhos
Cris

Vanessa disse...

Quando se aperceberam do problema do meu irmão, deram-lhe seis anos de vida. Já passaram 24 e ele ainda cá está. Já passamos por médicos que o trataram como uma coisa e não um ser humano. Já vivemos situações de médicos a dizerem que não vale a pena fazer nada, porque é um deficiente e mesmo assim ,nunca desistimos!
Não o podemos fazer, porque é a felicidade e o bem-estar dele que estão em jogo. Uma pessoa que, infelizmente, nunca poderá ter uma vida normal, apesar de o querer muito.
É triste vermos situações destas e apesar de não dever, sofro com isto todos os dias. Mas mesmo assim, continuamos a tentar!

Se não formos nós a acreditar e a lutar ninguém o vai fazer!

Beijocas

mother_24 disse...

É isso mesmo grilinha, dias maus há só um, mas hoje é novo dia para encarar as coisas doutra prespectiva e lutar pela realização do que tu achas que o JP necessita... postas de pescada todos dão, mas a precistencia duma mãe, derruba montanhas :D

jocas grilinha de estimação

MC disse...

Tens sorte em seres como és. Acho. Apesar de não conhecer a fundo a situação, concordo em absoluto com o Paido Pedro. Mas a maior lição, acho que já a sabes (e eu por aqui vou sempre lembrar-me dela) "quando tenho um dia mau ... é só aquele dia".

Beijinho grande para vocês

Mocas

PS: quanto ao teu filhote chorar uma consulta inteira, não percebo (embora repita que não estou dentro do assunto) o que é que isso pode ter a ver com o potencial cognitivo. Quase todos os bebés recém-nascidos berram a plenos pulmões nas consultas...

mais um beijinho

Margarida disse...

Minha linda, admiro cada dia mais essa tua força e a tua perserverança.
Quem conhece o JP sabe que ele VAI conseguir, SIM!!
Um beijo grande.

Sabes o que me fez ontem? Fui cumprimenta-lo e o malandrão agarrou-se logo ao meu colar só descansou qundo lho pus ao pescoço. Adorou-o! Se visses a alegria dele com o colar ao pescoço..a Sandra que te diga!! É um amor, o teu filho!

docinho disse...

É assim que vences... que mostras ser a mulher que és... um exemplo para o teu filho!

Beijos orgulhosos

PS vim cá... sonhei com o teu filho hoje... até me arrepio de pensar... foi tão intenso o sonho...

sil disse...

Tens um miminho no meu blog
Bjos
Sil

Cláudia Rocha disse...

Desistir???????

Essa palavra vinda de ti até me dá vontade de dá vontade de rir!

Amiga, como tudo na vida passamos por momentos bons e por outros menos bons. O que temos de pensar é como é que podemos aprender com os esses menos bons. Eu sei que tu aprendeste e isso torna-te mais forte e lutadora.

O JP é fantástico, vocês são fantásticos pelo que têm os ingredientes todos para que tudo corra pelo melhor.

Já estou a imaginar os nossos meninos a fazerem das suas. Minha amiga nós ainda nos vamos rir muito.

Beijinhos

Cláudia, Madalena e Guilhereme

Dinha disse...

Tua "teimosia" certamente é inspiradora para muitas outras mães, como eu, esteja certa.
Eu amo esta teimosia. E amo a cada dia mais tu e teu JP.
Um beijo grande.

Anónimo disse...

Olá linda,

e sê teimosa tanto quanto o desejes e tanto quanto o entendas.

E tantas e tantas vezes que alguma parte das soluções está na teimosia das mães. Na tua teimosia.

Um dia de cada vez... Um passo de cada vez... Sempre com essa tua força.
E vais ver quantos passos, mas literalmente passos, darão todos, em família, de mãos dadas.

Sois fortes.
Hoje almocei com a Cláudia e com o marido. E é justamente assim, vendo de perto, que temos sempre a certeza que vocês são os maiores lutadores. Pais. E sobretudo os maravilhosos filhos que Deus vos deu.

Muitos beijinhos para vocês.
Um miminho muito doce ao JP.

teresa

@Memorex disse...

È bom pensar assim, aprender de alma e coração. Ainda me recordo o quão os especialistas ou estudiosos de uma determinada area de deficiência julgavam ser mais experientes que os próprios pais de crianças portadoras de deficiências.

Apenas sabem na teórica, mas nunca na actividade prática, porque no papel existem muitas controversias mirabolantes e inacreditáveis.

Há 20 anos, as deficiências não eram tão debatidas e fundidas como o é na actualidade.

Contudo agradeço á minha mãe por me ter educado fora desses padrões, á maneira dela e com a ajuda de uma terapeuta de fala que ironicamente não aceitava as divergências e programas relacionado com a própria Surdez - o projecto não tinha resultado noutras crianças.

Mesmo assim, assinaram o termo de responsabilidade - eis, eu aqui, surda profunda desde tenra idade e oralista com capacidade de raciocinio na construção de palavras, fonemas, sintaxes em detrimento da Humanidade.

Tu Grilinha, mãe do JP - a tua história é LINDA, cheia de cumplicidade, muita força de vontade e sobretudo AMOR.

Continua a bombardear a linda experiência perante cépticos cujo Saber é limitado, e pobre de conhecimentos!

Beijinhooooooooo para o Guerreiro JP e a sua mãmã imperável!

Carinhosamente Memorex

Paço disse...

A vida é uma pedra de amolar: desgasta-nos ou afia-nos, conforme o metal de que somos feitos.

Neste caso? ;o) Afia... sempre em garnde luta!

Kiss