sexta-feira, julho 28, 2017

Em paz

Durante muito tempo não tive vontade de partilhar. 
Mas eis que surgiu novamente.
A vida é como se diz, como um carrossel e dá muitas e  muitas voltas.
Ontem deu novamente uma daquelas voltas boas que nos traz muita paz. 
O equilíbrio em todas as facetas da nossa vida é importante. 

O meu JP passou para o 7º ano.  Pré-adolescente típico. 
Grupos whatsaap, facebook, colónia de férias, ainda a mesma namorada...
Continua a deixar-me orgulhosa pela forma de estar na vida e com a vontade de beber (bons) exemplos. É uma alma boa. Mas muito complicado por vezes principalmente porque é determinado como tudo e que acha que manda,
A vida não é obviamente um mar de rosas. Não acontecia há algum tempo mas acordou-me esta noite e não voltei a conseguir adormecer. E deu-me para me pôr a pensar ...assim por dizer, a reflectir sobre os últimos 6 anos em que tanta coisa mudou cá em casa. E reflectir é importante. Cada vez temos menos tempo para isso.


Cuidar dos meus dois filhos é uma tarefa pela qual me sinto muito grata. Grata por os ter com saúde. Feliz pela sua felicidade.
Nem sempre foi fácil cuidar de 2 seres dependentes, mas o Rafa, agora com 5 aninhos, está agora a começar uma fase mais independente (até já toma duche sozinho !!!)

Em 2011 veio a crise ao mesmo tempo que diversos problemas de saúde. Soube o que era temer pela vida e até soube o que era não poder falar, como o JP sabe todos os dias.
Quando finalmente melhorei, precisei de me adaptar.
Entretanto pelo meio tive o Rafael .....o nosso sol. 
Tive de aprender novas formas de ganhar a vida e fiz outras coisas. 
Agora faço um pouco de tudo e adoro.

Sinto-me confortável em ser eu a gerir o meu dia de trabalho. 
E como isso é bom para acompanhar os pequenos.

Em 2014, já eu estava mais orientada, levámos outro abanão. 
No fim de 2016 sentia-me com vontade de mudar tudo. 
Em 2017 sinto que me encontrei. 
Estou feliz quando  sinto que todos estão felizes. 
Sinto-me amada, abençoada. 
Por favor...que dure esta fase. 

Eles estão óptimos ! O Rafael está com 1,20. Muito alto e tagarela. Esperto como tudo.
Adora jogar em conjunto com o seu mano minecraft. 
Está convencido que o seu propósito no mundo é fazer rir os outros, principalmente o mano.

Na escola, perguntaram-lhe sobre a família ao que ele respondeu " Família é ajudar o mano". 
Quando vi a frase escrita fiquei extremamente preocupada. Será que ele sente que gira tudo em volta do JP ? Conversei com ele e disse-lhe que a família era mais do que o JP, éramos todos nós e que ele também era igualmente importante. 
Refilou comigo e disse: " Oh mãe, mas eu gosto de ajudar o mano!" e ficou triste de eu não o compreender. 
A verdade é que tenho sentimentos dúbios sobre esta sua resposta.

Mas vamos lidando com tudo isto. Deixei de ambicionar ser mãe-perfeita e de me irritar quando mo indicam (é impressão minha ou esta geração de professores cobra imenso dos pais?), mas dou o meu melhor sempre. Mostro pelo exemplo que na vida temos muitas frustrações e que eles precisam de saber tolerá-las. A vida não é certamente fácil e eles vão percebendo isso.

Mas também é para ser vivida, agradecida e com muito amor e emoção. E está na hora de desfrutar.




segunda-feira, abril 24, 2017

Reflexões

Quando nos apetece mais abrir o coração ? Quando estamos mais tristes, introspectivos e vulneráveis? Comigo é assim.
Por vezes, o blogue parece um muro de lamentações, mas na verdade é um pequeno espaço de desabafos meus soltos. Não espelha a nossa vida, que tem sido complicada mas muito feliz e dedicada.
Porém não tenho ultimamente sido a mãe mais presente, que mais tem acompanhado os filhos, por força das circunstâncias complicadas da minha vida. 
Mas eles estão sempre em primeiro lugar. Amor não falta,  a cumplicidade entre os dois também não.

Todos os dias faço o exercício de gratidão, pelos filhos que são. 
Por estarem aqui comigo, por estarem, dentro dos diversos condicionamentos, saudáveis.  
Ensino o que acho correcto. 
Tento ensinar pelo exemplo e esforço-me por ser uma pessoa melhor, principalmente por eles. 
Mas claro. Estou longe de ser perfeita. E estou consciente disso.
Sei que a felicidade são apenas pequenos momentos pois somos por natureza um ser insatisfeito. 
Queremos sempre mais e melhor para nós. 
E sempre que acreditei que pais felizes criam filhos felizes. Mas é por aí que acho que falho. 
Tenho sido, estes anos, apesar de todas as contrariedades, muito feliz.
Mas agora não. 
Falta qualquer coisa muito importante...muito...muito...

Se só depende de mim ser feliz, vou tentar mais um pouco. 

sábado, abril 08, 2017

Só depende de mim ser feliz



Sempre pensei assim....está na minha mão. 
Não me permito ser infeliz.  
É curta esta vida. Não é para ser desperdiçada com maus momentos. Não me permito ser infeliz.
Por vezes nem sequer me permito descansar. Estou sempre alerta e a cabeça a mil. E por vezes tudo isso se acumula e fico muito cansada.


Há dias que o cansaço chega forte e os meus filhos  pedem tanto de mim... E dou. Dou porque eles não tem culpa do meu cansaço. Dou porque os amo. Dou porque há sempre um pedaço de energia lá escondido num esconderijo que é só deles.  Dou porque  a paixão é mais forte do que tudo. E dá-me aquela vontade de viver e aproveitar a vida e todo o seu esplendor.


Outros dias há que a alma desassossega e o coração aperta...
Então eles chegam e agarram-se a mim.  Nesse instante, eu chuto o cansaço e as preocupações.

Porque dentro de mim há um amor maior. Um amor que ultrapassa tudo. O amor pelos meus filhos.