sexta-feira, junho 19, 2009

O meu Post preferido para quem me visita ou visitará pela primeira vez.

A propósito da petição e da comunicação social.
Assinem : http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N85

Porque tenho muitas visitas actualmente devido à petição, porque acredito que para a semana poderei ter muitas mais, deixo aqui o post que mais retrata a nossa história e a minha maneira de viver esta experiência de uma maternidade diferente: Acreditar
Há quatro anos por esta altura vivia o inicio de uma gravidez.
Uma desejada primeira gravidez que corria tão tranquila até às 25 semanas, altura em que foi detectada uma assimetria dos ventrículos cerebrais, sendo que um ultrapassava ligeiramente os valores normais.
Tudo foi equacionado, e mesmo não admitindo, sempre defendi o ser que carregava dentro de mim. Fui uma grávida feliz, mas por vezes apavorada e debilitada. No dia do nascimento do JP, pelas 39 semanas, tudo se complicou. O JP estava em ligeiro sofrimento e a médica ainda tentou fazer parto normal. Acabou por desistir e o meu filho nasceu já alguns minutos depois da meia-noite do Feriado de 1 de Dezembro.O meu bebé veio ao mundo sem chorar, sem respirar. Felizmente recuperou minutos depois, arrancou por si próprio todos os tubos e trouxeram-me para conhecê-lo. Não parecia um recém-nascido. Estava atento, muito desperto, olhava nos meus olhinhos e tinha uma pele muito branquinha. No entanto disseram-me que ele passaria a noite na UCI neonatal e, quando recuperei as minhas forças, fui vê-lo pela manhã.

Chorava muito, e quando mo colocaram no colo, imediatamente se calou. Ficou 9 longos dias internado a ser observado. Eu fazia questão de estar sempre junto dele e de pegá-lo ao colo o máximo de tempo possível. Sabia que, se ele queria fazer pela vida, era sabendo que eu estava ali e que o amava. O JP saiu do hospital sem diagnóstico. Agora sabemos que muitos imaginavam que era paralisia cerebral.
O prognóstico parecia terrível. Mas no dia que o trouxemos para casa ele se transformou. Começou a mamar muito mais e a acordar com fome. Nunca o fez no hospital.
Pensei muito em deixar de trabalhar, mas nunca consegui. As contas, as terapias...
Existem e convivem connosco. Pensava e penso muito na qualidade de vida dele.
Os avanços motores do meu pequenino foram feitos devagar, os cognitivos felizmente mais rapidamente, mas acredito que o que fez a diferença foi o nosso vínculo e a minha crença de que só se avança e aprende com prazer e é a mãe que pode proporcionar isso para uma criança atípica. Os primeiros sorrisos surgiram cedo, pelas 7 semaninhas e deram-me muita força.
Eu ainda acho que a melhor reabilitação para um caso grave é conviver com pessoas felizes. Por isso, nunca me entreguei a qualquer depressão, embora ainda tenha dias que sejam muito difíceis.
Quero que o JP continue sonhando, desejando, mesmo o que não seja possível. Pois será esse desejo que irá movê-lo para algum lugar intermediário entre o ponto onde ele está e onde ele desejou chegar.


PS: Depois destes dias de saudades de Cuba, hoje já está mais feliz. Já se começa a integrar, embora que faça beicinho quando vê um avião. Confesso que me senti aliviada e com orgulho no JP quando quando em Cuba vi que a maioria dos meninos berrava (e ainda mais crescidos) desalmadamente, sem motivação para trabalhar e sem rentabilizar o dinheiro gasto...e o meu JP aproveitou cada segundo. E era dos mais pequeninos (tanto que os médicos de inicio acharam 2 meses demais, pois só tinha 4 anos). Enquanto que os outros pouco aproveitavam (nem todos)...o JP tirou o máximo partido. Agora é esperar que descanse e ainda ficará mais forte, fazendo mais habilidades e travessuras...e havemos de voltar aquela terra maravilhosa, de Deus quiser. Mas teremos de ter a certeza que as coisas não estão a funcionar como actualmente. A clínica já vive muito da fama...e os pais têm de ser muito exigentes. Se o menino não trabalha por vontade própria, as coisas não corriam bem...e não costumava ser nada assim.
Mudaram toda a equipa por causa das "fugas" e estão meio desorganizados(na minha oipinião) e piores. Seja como for, o JP soube aproveitar.
E que consigamos a cadeira brevemente. Vão passando aqui. Vão havendo novidades todos os dias ! Eu não desisti. Continuo sem entender porque é o meu filho menos do que os outros.
Foto do JP aos 3 meses, já rolando e brincando no tapete....que saudades !

12 comentários:

Cristina disse...

:) Imagino o que devem ter sentido... És uma mãe e pêras!

Mãe Sisa disse...

Tenho que te mostrar fotos do JM nesta idade tb... LOL

Ainda bem que ele já está a aceitar melhor o facto que ainda tem de esperar um pouco até poder voltar a Cuba... Acalma o seu coração e o da mãe, não é?!?

ESTOU DESEJOSA DE O VOLTAR A VER!!!!
Beijinhos

Gi disse...

Tou comovida!!! É fundamental por os olhos em pessoas como tu. Trazes ao de cima o melhor da humanidade, o melhor de Deus:)
E com uma mãe assim (e claro, tal como o seu marido), o JP transmira muito AMOR!!!
Muitos beijinhos,
Gi
P.S. Já assinei, e penso q não posso novamente, se não assina vezes sem conta até atingir o número;)

Carolina e António disse...

Olá,
Já assinei e enviei pós meus contactos.
Continua a lutar porque vais conseguir, tu e o JP.
Bjinhos

Grilinha disse...

Obrigado Gi, as tuas palavras e empnho são muito animadoras,

Cris...sou mais uma mãe e um moraguinho saboroso.

O JM nessa idade devia ser só tão giro como e agora.

Carolina e ANTÓNIO-oBRIGADO.

Beijos

Rosa Silvestre disse...

Espero que consigam, já vai em 5000.
Beijinhos para ambos, RS.

Margarida disse...

Eu VI com os meus olhos as maravilhas que fizeram as semanas em Cuba! Ele está mais forte, mas bem posicionado, fiquei super surpreendida.
E adorei aquele colinho ontem de manhã.....
O JP é uma criança tão doce tão amorosa, tão decidida... chegaraá onde a sua vontade o levar, sem dúvida.
Tenho um enorme carinho pelo teu menino, Lena. E tu és uma MÃE, como as outras é certo, mas mais fantástica como são todas as MÃES de meninos e meninas especiais.
Um beijo enorme para vocês.

vida disse...

ja assinei e reencaminhei!!!
um grande beijinho

Palavras Soltas disse...

És uma forma da natureza.
Que tenhas sempre essa garra, essa vontade de lutar e de vencer.
Admiro-te mesmo mto.
Força.

bj grd comovido

Tita disse...

Lutadora!
Vais conseguir! Vamos!
Bjs grandes

Anónimo disse...

O Amor move montanhas, o de uma MÃE é incalculavel, e a energia da Amizade alcança muitas vezes o impossível.
É saboroso para a alma, constatar, que neste mundo cão, onde diariamente todos se atropelam, ainda sobra tempo para que nos aconcheguemos uns aos outros com palavras de Fé e Esperança. Mãe Grilinha nunca deixe de trabalhar e de CANTAR para o seu Grilinho.O seu AMOR faz qualquer pessoa sentir-se pequenino.Como gostava de ser rica neste momento.

csantos disse...

Que lindo o JP com três meses, o sorriso dele é contagiante.

beijinhos
Cristina
http://blogs.clubedospais.pt/ccsantos