terça-feira, novembro 27, 2012

Coisas de mãe ...

Sobre o JP

Se o ano passado, na escola, ainda queria fazer o que lhe passava pela cabeça, este ano sabe que tem de trabalhar e já assimilou.
Já não pede para voltar para a pré-escola ou para casa.

No ATL pede para fazer os TPCs como todos os outros. 
Normalmente não acho graça quando os miúdos se copiam. Mas sem dúvida que aplaudo esta ocorrência milagrosa. 
Na sexta feira quando o fui buscar ao fim do dia, vi que participava muito feliz numa peça de teatro de Natal. E depois, mostrou às auxiliares como usava bem o computador. Está na sua fase de sedução.

Ontem fui buscá-lo mais cedo para irmos à fisioterapia e fez-me uma cena daquelas com imenso drama e lágrimas. Queria ficar ali, não queria ir, etc,etc. 
Sente-se bem lá pelo ATL e elas ficaram contentes por saber  isso. E eu fiquei a pensar comigo própria se ele já se fartou de passar as tardes comigo... 
Bem sei que com os dois, e desde que o Rafael está mais pesado, é um pouco mais monótono pois raramente saímos.

O JP (quase) sempre se adaptou bem aos lugares e às pessoas. Mesmo com todas as dificuldades de comunicação e dependências. 
Fico só a pensar, que assim de repente, tive saudades do bebé que chorava um bocadinho quando o deixava de manhã no colégio. 
E que má-mãe me sinto...mas é a verdade. 
Talvez eu também precise de crescer.

Ora bem, está visto que quase tudo tem o seu lado positivo. 

Se o Rafael fizer uma cena dessas, vou queixar-me muito menos...
Vou saborear pois no máximo dura 7 anos. Pelo menos com os meus filhos...

sexta-feira, novembro 23, 2012

Hoje acordei a pensar que

era preciso ter imensas saudades do frenesim, para ontem, depois de ter passado 12 horas longe dos meus pimpolhos, em formação,  ainda vir com um sorriso nos lábios.




segunda-feira, novembro 19, 2012

Mérito a quem o merece

Depois do atribulado início do ano, acabei por seleccionar 2 outros ATLs onde poderia colocar o JP se fosse necessário. 
Nenhum deles era o da sua namorada. 
E era para esse que ele insistia que queria ir. Talvez quisesse continuar mais tempo junto dela...
Não me desagradava a ideia do local, visto ser na nossa rua e ter excelentes referências.
Mas já lá tinha estado no ano passado e diziam-me que os rácios de meninos com NEE no ATL já estava acima do expectável. Verdade ou não, não sei. 
Os meus argumentos verbais não foram suficientes para o conseguir inscrever e resignei-me.

A verdade é que neste último ano, o JP comunicou com as auxiliares que iam buscar a S. e disse-lhe que queria muito ir para lá. 
Preparou tudo tão bem que sabiam que quando eu começasse a trabalhar, era para lá que ele iria. 

Hoje fui lá tirar as dúvidas e inscrevê-lo. 
Comovi-me pois fui recebida de braços abertos. Todos o conheciam e ficaram muito contentes. 
É já querido e especial. Ninguém mostrou grande medo. E é benvindo.
Que alívio...

Digo mais: que felicidade !
Quando lhe contar, ele vai rebentar :)
Mérito dele. Mesmo.

terça-feira, novembro 13, 2012

De pé sozinho

Com 9 meses, o Rafael já fica assim o tempo todo. Sem estar agarrado.  Tipo estátua.


Sonhei escrever um post assim sobre o JP mas não foi possível. 
Mas hoje olho para trás e vejo algumas coisas que conquistámos que estou muito contente por elas. 
Ficar sentado assim como na foto sem a colaboração dos pés, para obter equilíbrio. Pelo tempo que quiser.
Parece fácil mas para o JP não foi. Mesmo assim, não o deixamos sem vigilância.

E o futuro a Deus pertence. Tudo o que ganhar é maravilhoso. E eu tenho fé que ainda ganhe algumas coisas muito boas.

Imagino que não vá ser fácil para ele observar o mano a começar a dar os primeiros passos.
Mas também sei que ele vê as coisas de uma maneira bem diferente da nossa.
Seremos muito positivos.




Tanto medo II

O JP reagiu muito bem à tomada do antibiótico e já não tem qualquer descamação nem ferida. Ontem voltou todo feliz à escola. Chorou que se fartou por ter de faltar 2 dias.
Infelizmente, como já imaginava, o Rafael tem mesmo uma ferida suspeita no dedinho.     
Foi aumentando e agora está estável. 
A sua pediatra está a acompanhar a evolução e supostamente está  tudo sob controle. Mantém antibiótico de aplicação local. 

A primeira manifestação surgiu Sexta feira.  
Se se mantém só com uma pequena ferida, estou a começar a ficar optimista. Esta é a situação comum. O JP é que anormalmente se deixou "atacar" por este malvado estafilococo.

Talvez ajude o facto de ainda estar a ser amamentado. 
As imunidades estão a funcionar e esperamos que assim continuem.
Estou mais mais calma agora. Mas ainda não estou tranquila.

Adenda a 4 de Dezembro: O Rafael resolveu este estafilococo sem problemas de maior. Betadine e antibiótico de aplicação local. Caso resolvido.


sábado, novembro 10, 2012

Tanto medo


É difícil de acreditar que não tive grande medo quando estava grávida do Rafael. Mas de alguma forma consegui. Nem sempre. Mas consegui e desfrutei de uma gravidez tranquila.
Por vezes vinha uma ou outra história que me aterrorizava mas acho que pessoas que contam más histórias nessa altura da nossa vida existem sempre.
Bloqueei o pensamento para não pensar em partos e o que eventualmente pudesse correr mal. 

Mas de alguma forma, não reajo da mesma maneira às doenças ou eventuais doenças que o Rafael possa ter.

O JP foi apanhado por um estafilococo que provoca descamação na pele. Apareceu num dedo, numa canela e só depois na cara. É contagioso. Descobrimos anteontem. Ele está bem, sem febre e já está a tomar antibiótico. 
O Rafinha obviamente mexeu muito nele (festas, beijinhos, etc)  antes de sabermos o que o irmão tinha.  É que nem sonhávamos. 
E este bicharoco, bactéria que vive habitualmente na nossa pele, pode provocar infecções graves, septicémia e afins em menores de 1 ano. Qualquer mínima borbulha e irregularidade na sua delicada pele me faz tremer. E já vi ali uma ou duas minúsculas feridas...

Estou com o coração nas mãos. 



quarta-feira, novembro 07, 2012

Coração grande

Há duas ou três semanas atrás, numa noite comum, fazendo os rituais da hora que antecedem o sono, o JP pede para conversar. Contou angustiado que a amiga dele, lá da escola,  "Catarina" já não lhe estava a prestar atenção como antes e que ele tinha muita pena. Eu perguntei-lhe se não seria porque ele passava o intervalo a "namorar" com a S.  E este namoro já dura há mais de 1 ano ! Respondeu-me que não e fez-me prometer que falaria com a Catarina e com a professora. Fi-lo assim que pude. Não consegui falar com a menina, mas falei com a professora. Naquele mesmo dia, a professora, explicou à Catarina que o JP tinha muita pena por ela já não brincar com ele como antes.
A menina, defende-se dizendo que ele só "tem olhos para a S., só quer a S, e não liga a mais ninguém ". Pelo que me contaram, ele negou tudo, muito aflito e ofendido.
Bem, a verdade é que a pequena conversa (para a qual ainda precisou de ajuda) foi útil para esclarecer alguma coisa. O JP demonstra ter muito carinho por ela. E ele passou a receber  dela, muitos bilhetinhos como estes. Outras vezes já recebeu recadinhos amorosos (que adora) mas com estes ele ficou todo inchado. Perguntei-lhe se ele gostava dela como namorada. Disse-me que não. A namorada dele era a S. 
E perguntei-lhe se a Catarina usasse uma cadeira de rodas, como a S, se seria ela a namorada dele e respondeu-me que sim. Grande confusão !!! Ora bolas, é ele que faz discriminação ???
Agora apanho-o às vezes com um ar pensativo. Perguntei-lhe o que se passou. E lá desabafa e conta que agora a  S. já não lhe anda a ligar tanto.

Pois é, meu amor pequenino...às vezes mais vale um pássaro na mão. Mas também se há altura boa na vida para perceberes isso, é agora. 


A relatividade de todas as coisas


A primeira vez que o meu pai viu este menino (principezinho)  disse: "Tens de o ver, é igual ao JP".
Não era igual mas toda a gente achava que eram irmãos.

E são. São irmãos de coração. Mesmo que agora o tempo juntos não seja tanto como antes, recordamos com muito carinho, todos os momentos passados, os passeios, a ida à Beira Baixa, os lanchinhos, o bom humor e até o que foi planeado mas não concretizado e ansiamos pela próxima oportunidade de estar juntos.  
Todas as mães dizem que os seus filhotes têm o sorriso mais lindo do mundo.
E eu digo, o Principezinho, o JP e o Rafa têm os sorrisos mais lindos do mundo. E os risos ! E são incrivelmente especiais. E parecidos. E lindos.


Desejo que ultrapassem rapidamente esta hospitalização e que se continuem a "chatear" com as coisas comuns.   Muita, muita força.