terça-feira, fevereiro 25, 2014

Coisas que nunca contei II

Estes últimos posts tem sido inspirados por situações dos últimos tempos. 
Escrevo-os durante o Domingo e eles virão todos os dias pelas 10 h para quem me segue.
Por vezes situações com alguma intensidade dão-me vontade de escrever e expressar desta forma.

Confesso que me sinto muito culpada por nunca ter dado ao Rafael nem um quarto do estímulo do que dei ao JP. 

Não é por mal nem falta de vontade. É por falta de tempo e porque o JP continua a exigir muito. 
Por vezes tenho de acompanhá-lo no estudo, fora as idas à fisioterapia e exercícios aqui em casa.
Com o JP brincava imenso, desde bebé que líamos por horas juntos. Fazía
mos exercícios e eu brincava ao mesmo tempo. Contava histórias no carro. Comprei os DVDs da moda.
Íamos à piscina 3 vezes por semana. Cantava-lhe o tempo todo enquanto descobríamos lugares interessantes.
Fomos a imensos teatros, espectáculos musicais, jardim zoológico, quintas pedagógicas e uma infinidade de actividades interessantes. Esteve num colégio 5 estrelas.

O Rafinha foi apenas a um pequeno espectáculo e por vezes lá encaixo um pouco tempo para ler. Fiz uma tentativa frustrada de o levar à piscina aos Domingos de manhã. Para o sossegar enquanto ajudo o JP com alguns TPC deixo-o ver mais desenhos animados do que gostaria...e só no outro dia percebi que adora a Xana Toc Toc. E não temos nenhum DVD dela :)
Mas ele estimula-se imenso, graças a Deus. Canta sozinho, dança e pega nos livros e desfolha. Faz uma festa na banheira com os brinquedos do mano.
Vem perguntar o "o que isto ?" com os livros na mão e lá vamos lendo, conversando e brincando mais a pedido que outra coisa.
Vai mais vezes ao parque e aproveita mesmo a valer, sem dúvida. Os legos não têm segredo para ele e todas as explorações aqui em casa são feitas até à exaustão.

Enfim...a culpa está cá. Mas eu dou o melhor. 
Não posso dizer que a consciência não me pese...mas pelo menos sei que dou o meu melhor. 

1 comentário:

Helena Barreta disse...

Dá o seu melhor e isso é que importa.

Um abraço