sexta-feira, outubro 30, 2009

Estados de espirito

Chego à escola para deixar o meu menino ou para trazê-lo para casa. Numa escola enorme é o único que anda numa cadeira.
Ele está feliz porque batalhamos muito por esta cadeira e agora temo-la.
E eu ?
Uns dias penso que tenho medo que ele sempre precise dela. Outros penso...um dia não vai mais precisar dela. Não sei qual o pensamento realista, mas prefiro ser sonhadora.
É sempre da segunda maneira que quero pensar. De qualquer forma, andar numa cadeira não é o fim do mundo. O meu filho é feliz, acarinhado, até já teve namoradas (várias), sem palavras comunica lindamente, tem amigos e dá gargalhadas que ecoam pelos corredores. Tem uma auto-estima fantástica e julga-se o maior...
A forma como encaro tudo isto, montar e desmontar a cadeira, levá-lo às terapias e até pegá-lo ao colo depende da forma como estou comigo mesma. Nunca fui estável. Nem quando tudo estava 5 estrelas e não tinha problema algum na vida. Por isso agora, os estados de espírito continuam a oscilar. Felizmente é com um sorriso que tento montar e desmontar a cadeira, olhar para ele, único no meio de tantos...
Diferente e especial. O meu menino. Aquele que mais amo no mundo. Um amor sem limites.

8 comentários:

Maria João disse...

Olá amiga,

Desculpa não te dar uma palavra de carinho à algum tempo, mas não tenho tido oportunidade de visitar as(os) amigos da Net.
Quem é 100% estável???? Conheces alguém??? Eu não e acho que com td pelo qual tens passado, és a pessoa mais estável que conheço e isso nota-se na felicidade em que a familia vive, apesar das rasteiras que vos pregam.

Continuo a dizer e não me canso; ÉS UMA GRANDE MÃE; MULHER E AMIGA.

Beijos grandes.

MJF

Mocas disse...

Também sou assim, instável. E a forma como encaro as coisas depende sempre um pouco de como me sinto (e de como as hormonas me deixam sentir).

Quanto aos teus sentimentos de mãe, compreendo-te tão bem! E olha, tb sinto o meu rebento único no meio de tantos. Com a sua vergonha, a sua timidez a sua delicadeza ... e o meu amor sem limites.

um bj grande!

__Isabel__ disse...

É verdade.
Montar e desmontar a cadeira cansa!
(Mais um daqueles pormenores do nosso dia-a-dia de luta de que ninguém se apercebe).
Coragem...
Um dia as nossas cadeiras deixarão de ser precisas...esperemos!

Beijinhos

Isabel

Sandra Morato disse...

POrque o caminho faz-se caminhando, vendo para além do que a visão alcança, tendo o Céu como Limite! É como amamos os nossos filhos e especiais são todos. As mu8lheres e mães, são, ou deverião ser como as arvores sempre de pé! O outono leva-te as verdejantes folhas da Primavera, e ficarás "nua", mas na próxima primavera verás que elas voltarão a crescer mais vigorosas., fortes, robustas e lindas. Só tens este periodo menos bom para atravessar.
Um beijinho grande desta mãe amiga, que do nada te tenta dar um pouquinho de algo e sempre que pode, um sorriso de princesas. Sandra Morato

Anónimo disse...

Custa muito o nosso filho entre tantos...
Levei anos a levar o Pedro ao colo, montar e desmontar a cadeira mas neste momento o Pedro já empurra o andarilho, já se desloca sózinho com as mãos na parede.
O JP também vai conseguir.Com trabalho e fé tudo se consegue.
Graça

Cristina disse...

Tem dias em que questionamos as nossas certezas. És uma mãe espectacular! :)

Helena disse...

Coragem e não desanime. Há que ser optimista e pensar que os progressos vão ver-se. Os cuidados para com o seu menino vão, com certeza, dar frutos, já para não falar do amor e dos miminhos que tão bem lhe fazem.

Um beijinho cheio de ternura para si e para o seu menino.

Dulce Bregas disse...

O meu filho,sempre foi diferente,nasceu ruivo...com pais morenos ;).Logo aí chamou atenção,uma atenção que me começou a irritar,cresceu lindo e muito nosso,esteve comigo 3 anos,foi rotulado de mimado,mais tarde começou a falar sozinho,era "um miúdo estranho",não largava a fralda,e sabia letras e números,e trata o pc por tu há 2 anos...continuou "esquezito",sempre na lua,e mal educado porque não atende quando é chamado pelo nome.É autista:calaram-se as vozes,e veio a solidão,a falta de amigos,mas logo chegaram as terapias e o Francisco venceu muitas etapas,não se ouvem elogios,mas não precisa.É o único autista na escolinha,mas como tb é o único ruivo chega a ser giro.Sei que há vários meninos autistas por aqui,mas não"se expõem"...e o meu Francisco continua a ser diferente,em todo o lado.Que BOM!Porque ele é,e o Pedro é um menino lindíssimo,será diferente para sempre?Não se sabe,único...será com certeza!Beijinho.