quarta-feira, maio 02, 2012

O Blogue

Não me lembro de outro ano tão intenso na blogoesfera como 2005/2006. Os blogues eram ainda um pouco novidade. E andava toda a gente a aderir.
Eu lia alguns babyblogues. E o JP entretanto nasceu. 
Os primeiros meses foram muito absorventes. Um ano depois, numa busca acerca de tratamentos nos estados unidos (therasuit), conheci uma amiga, pela internet, cujo filho tinha também paralisia cerebral. Foi a primeira pessoa com quem falei, na minha situação e foi fantástico perceber que falávamos a mesma linguagem. 
Ela tinha um blogue onde postava os bolos que vendia e para eu comentar precisei de aderir ao Blogger.
Foi em Março de 2006. Incrivelmente, já fez 6 anos.
Quando contei ao meu marido (já blogger há 2 anos), ele disse-me para começar a escrever sobre a minha experiência com o JP, já que me queixava que os blogues eram todos cor-de-rosa. Fiquei a pensar que ele tinha razão. Mas se havia pessoas que sabiam dar força e carinho, também havia quem me conseguisse irritar. Era frequente ver comentários sobre o meu blogue do género " fiquei com tanta pena e tão chocada que nem consigo comentar" ou "ainda bem que não foi a mim que me aconteceu isto". Não é simpático, mas como em tudo, absorvi a força positiva e mandei a negativa para detrás das costas. Cheguei a ter 300 visitas por dia e mais de 30 comentários por post. E através desses comentários conheci outros blogues do mesmo género que avidamente busquei.
Semana após semana, comecei recebi mails de mães como eu. Com muitas fiz alguma espécie de amizade. Com outras fiz amizades mesmo fortes que duram até hoje. E algumas das mães nem sequer eram "especiais". 
E percebi que de alguma maneira lhes dava alguma força ou sensação de não estarem sós. E isso dava-me motivação para escrever. 
Aos poucos iniciaram também blogues (ou retomavam-nos) e contavam também a sua experiência e percebi que não só tinham imensa força (bem mais do que eu), como também me inspiravam. Os heróis eram os seus filhos que facilmente me encantavam. 
Não estava definitivamente sozinha. Num instante, já nem sequer era das poucas bloggers diferentes. Era só mais uma. E essa foi uma das melhores sensações que tive. 
A blogoesfera ficou mais rica de experiências. De pais e mães que mostram as forças e fraquezas. Gente que nos ensina, partilha e nos mostra que o mundo real é bem mais interessante e menos fútil.

6 anos depois, sei que a maioria das pessoas que me vem ler, conhece ou conheceu o JP e quer saber como estão as coisas. Algumas poderão estar directamente implicadas nas minhas histórias e receio sempre a confusão das palavras...
Um dia percebi que quando contava todas as terapias que fazia com o JP, dava a sensação aos pais de que ele faziam pouco  com os deles (muitas vezes por falta de recursos económicos) e também acabei por me retrair. 
Ultimamente penso muito no dia em que o JP (que já pesquisa na net), venha ler estas palavras. E dou por mim a ponderar o que escrevo.
Não sei qual o futuro deste espaço. Como sempre, continuo a viver um dia de cada vez. 
Mas gosto muito de ir registando aqui alguns dos meus pensamentos. De mostrar o nosso caminho.
Não é definitivamente um caminho tranquilo. Tudo seria muito mais fácil se fosse tudo normal.
Mas não foi e ainda tenho dias em que me doí tudo cá por dentro...

Este blogue é sobre uma família, muito amor,  as suas dificuldades, alegrias, revoltas e vitórias  e sobre o nosso caminho. À nossa caminhada juntaram-se imensas pessoas que trazemos no nosso coração.

9 comentários:

Ovelha, Flor, Guerreira disse...

Em 2008 uma das minhas filhas, então com 18 meses, teve suspeita de ter o mesmo problema que o JP ou PEA...No início, julguei que morria e nunca mais ía ser feliz! Depis achei que tinha capacidade para ser feliz e isso só faria da minha vida uma vida mais intensamente vivida! Fiz tudo o que podia...nunca escrevi porque me doía demais. Foi aí que descobri este blog que venho seguindo com alguma regularidade...Graças a Deus ela já teve alta e tudo não passou, felizmente de uma paragem no desenvolvimento inexplicada...o fantasma persegue-me...mas cresci, cresci muito como pessoa!Os dias qeu passei no Cadin fizeram-me pensar! Sou muito melhor pessoa! E adoro ler o que escreve, na altura estive para dasabafar aqui mas não fui capaz! Não tenho pena, nem fco chocada! Fico é feliz por haver pais assim que conseguem reagir e ser felizes! Sorte a do JP ter nascido numa família assim! Mas também, nada acontece por acaso, não é?
Beijo grande...Vá passando lá pela minha casinha! É uma honra!

Juca disse...

LINDO!

Grilinha, as palavras de carinho NUNCA fizeram mal a ninguém... as suas vêm do coração... e quando um dia o JP vier ler estas palavras escritas neste espaço com tanto amor de certo que vai apenas reforçar a ideia e sentimento de que tem um mãe maravilhosa!

Quanto ao resto a atitude certa é sempres essa de pôr o que é negativo no seu devido lugar não lhe dando importância nenhuma, valorizar sempre quem está por perto com sentimentos positivos, força e carinho!

Beijinhos grandes

Mocas disse...

e vocês no meu coração. sempre!

muitos beijinhos!

Anónimo disse...

Gosto que continues a escrever. Este blog enche também os meus dias.

beijinho
Joana (Porto)

Mina disse...

Parabéns, pela longevidade, não é fácil mantêr e actualizar um blogue durante tanto tempo.
Mas o sentimento de que ele possa contribuir para que outros não se sintam sós e nós próprios consigamos perceber que outros tem percursos diferentes ou semelhantes, as conquistas os dias menos bons, tudo faz parte de viver, e ter filhos diferentes só acresce ao nosso próprio crescimento, tudo ganha outro valor.
O J.P. só pode sentir orgulho dos sentimentos que a mamã expressa.

Beijinhos para os meus Grilinhos de estimação

Helena Barreta disse...

Não me lembro de como vim aqui parar, mas sei que foi há muito tempo. Uma coisa eu sei, prendi-me à sua escrita precisamente por encontrar nas suas palavras o que é comum a todas as mães, ou seja, o amor que sentimos pelos filhos, as preocupações, os receios e medos, mas também as alegrias, os sucessos, os progressos, as lágrimas e os sorrisos.

Gosto de aqui vir porque gosto de todos os Grilinhos; gosto de aqui vir para testemunhar e lhe transmitir o quanto a admiro, pela sua coragem, pela luta que trava pelo seu amor maior e que nada lhe falte; gosto de aqui vir para lhe poder dizer que é uma mãe excepcional e uma mulher de valores.

Tenho para mim, que quando o JP vier ler as suas palavras vai sentir-se ainda mais privilegiado por a ter como mãe, por nunca ter desistido de saber mais e fazer mais para que o JP cresça feliz.

Parabéns pelo blogue.

Parabéns pela família que constituiu.

Um beijinho a todos

Anónimo disse...

Bem e o que posso eu comentar, começei um blogue em 2005 quando soube que estava grávida do Guilherme. Entretanto parei de escrever pois aconteceu o que não estávamos à espera e na minha busca de informação pela net e pelo mundo cibernáutico venho encontrar-te anos depois aqui neste meio. Longe estava eu de pensar que eras a minha amiga Helena da Faculdade. Lembro-me que só meses após falarmos via messeger é que descobrimos que tinhamos sido colegas. O mundo tem destas coisas e o destino também. O teu blogue foi oprimeiro que encontrei com uma realidade que viria a ser a minha, na altura lembro-me de mais 1/2 portugueses e muitos brasileiros, hoje já somos uma comunidade onde muitas mães escrevem o que sentem, o que passam e o seu dia-a-dia e eu acho muito importante esta partilha, pois ninguém está sozinha no mundo.
Um beijinho e independentemente de nem sempre estarmos nos nossos melhores dias, devemos sempre escrever o que nos vai na alma.

Beijinhos grandes
Cláudia Rocha

Grilinha disse...

Meus amigos, ler as vossas palavras é incrível. Enriquecedor e reconfortante...

Como diz a mina e com razão, não é fácil manter a longevidade, por muitas e muitas razões.

Como diz a Helena, o amor aos meus filhos, principalmente pela diferença, merece o testemunho...para que nunca se pense que ama menos...

Cláudinha, ficho feliz de nos termos reencontrado...podia ter sido de outra maneira, mas quis o destino que fosse assim...

Mocas, uma das pessoas cuja história é diferente da minha e sempre nos seguimos. Porque tem uma história real, com gente dentro....Gosto mesmo de te ler, apesar destes últimos tempos ter tido grande dificuldade em fazer visitinhas...

Juca, sempre uma palavra motivadora para dizer...e como é importante !

Ovelha, ainda te estou a conhecer e sei pouco de vcs, mas farei visitas, com certeza . obg pelo carinho.

Joana, minha grande amiga...aliás NOSSA porque o JP agora tb é teu amigo....a ti as palavras não chegammm...

Anónimo disse...

Eu sou uma dessas pessoas que vos conheceu (atraves do d-eficiente) e vem ver como estao as coisas.
Nao vinha ca ha imenso tempo e hoje lembrei-me...
Foi uma agradavel surpresa ver o mano do JP e tambem adorei ver como o JP esta crescido!!
Desejo toda a felicidade do mundo, com muitos sucessos pela frente!!

Nadia Coelho