sexta-feira, junho 22, 2007

A importância da nossa Familia

Na sequência do post anterior e da importância do incentivo e da família para o meu JP.

Sempre fui muito apegada à minha família. E adorava que o JP também assim o fosse...que pudesse sentir que tem uma família fantástica e que o apoia. Porém...na nossa família cada um com a sua personalidade e nem todas tão saudáveis quanto se desejaria.

Tenho o meu pai. Um pilar fundamental...porém a nossa relação é mais distante do que eu gostaria. Principalmente porque ele adora ver-nos independentes. Sempre teve a preocupação de não dar uma cana de pesca aos filhos e sim ensiná-los a pescar. Acho que foi completamente bem sucedido nas suas pretensões. Porém, acaba por não existir muita intimidade entre nós, mas está sempre lá quando preciso. Se me vejo muito receosa, procuro-o. Tenho ali um porto de abrigo.

O meu irmão (mais velho 4 anos) e cunhada são amorosos, pessoas excepcionais. Posso contar sempre com eles. E amo demais os meus sobrinhos.

A minha irmã é a primogénita, mais velha do que eu 7 anos. Amorosa, simpática...adoro-a...mas tem diversos senões...está longe de ser perfeita, assim como também eu o estou. Nem sempre nos compatibilizamos.

Depois, do lado do meu marido, tenho a minha sogra, que é para mim, o que a minha mãe, nunca teve oportunidade de ser. Mas curiosamente, somos mais compatíveis em feitio, do que o era com a minha mãe, e do que ela o é com a sua filha...Com ela partilho algumas angústias, desabafo e ela comigo, inclusive coisas que me pede segredo absoluto...
O JP adora a avó. Grita de alegria quando fica com ela...e até gosta de me ver pelas costas. Eu acho saudável. Afinal ela faz-lhe todas as vontadinhas...é uma Avó.

A minha cunhadita solteira...a madrinha do JP, irmã do meu marido. Fantástica. Simples. O bom humor em pessoa. Ama o seu JP, como todos nós.

Para além deste núcleo central, existe mais família...também fantástica. Mas esta é A FAMÍLIA directa do meu menino. Oxalá goste deles . Oxalá seja sempre acarinhado. E que não tenha "amargos de boca"...

Apesar de não sermos uma família tão unida (mais do meu lado) como eu gostaria, faço um esforço para nos mantermos o mais próximos possíveis, pelo menos da parte mais saudável e prazerosa...pois acho que é muito importante para todos nós e em especial para o JP.

quarta-feira, junho 20, 2007

O meu JP tem sede de aprender !

Aceito as partidas do destino...para quem a vida corria razoavelmente bem e certinha , um revés, mesmo desta dimensão não é o fim do mundo. No outro dia não tive vontade de ver a reportagem das crianças que recebem tratamentos oncológicos. Tive medo de ficar triste. Mas é mais uma outra realidade. Daquelas que eu gostaria que nunca me batesse à porta, pois já tive uma dose bem forte (a minha mãe)....mas afinal é uma realidade e que tem de ser encarada por quem passa por ela. Qualquer mãe daria o seu melhor e enfrentaria tudo pelos seus filhos. Afinal a reportagem não era deprimente como pensei, mas sensibilizou-me até à última molécula.

Hoje estou feliz. O meu JP está tão esperto interessado...aprende tudo o lhe propomos a ensinar. Toma atenção e observa como se fosse a coisa mais importante do mundo. Faz puzzles relacionando peças com objectos...coisas difíceis para os seus 2 anos e pouco,(eu digo em jeito de brincadeira que ele é inteligente como a mãe, eh,eh)! Mas a verbalização continua pobre. Primeiro porque não tentava (ele sempre só disse as palavras que achava que sabia pronunciar...já viram que orgulhoso ?) as outras nem tentava.
Agora mudou. Já tenta mais e nós ensinamos...Olha para os nossos lábios a tentar perceber como fazemos. Chama pelo nome próprio ao Pai. Começa e tentar muito através da imitação e para nós esta é uma grande vitória. Mais uma vez, tudo o que é natural e automático nas crianças, ele tem de fazer muito mais esforço para conseguir...

A terapeuta da Diferenças não só é uma profissional excelente como faz tudo de uma maneira que ele adora...Aprende com jeito de brincadeira e absorve tudo como se fosse uma esponginha !!!

Entretanto aconselharam-me a que ele iniciasse a Terapia da Fala . Com alguém que tivesse muita experiência com casos de paralisia cerebral, pois a razão porque ele não fala mais, é de origem motora e/ou respiratória. Estou mais tranquila, pois agora estou convicta que ele falará...mas precisa de apoio para que possa falar o melhor possível e que seja possível de entender por todos. Tenho agora de descobrir a dita terapeuta, pois o hospital tem uma lista de espera proibitiva e eu tinha preferência que fossem ao colégio, pois de andar de um lado para o outro, já estamos nós fartos. Vamos mais uma vez à luta, com alegria e empenho !!!
Adenda: se alguém conhecer alguém com estas características na margem sul...Mandem-me um mail. Bjs

sábado, junho 16, 2007

No final de um dia

Anseio todo o dia por aquele momento mágico em que as luzes da cidade ganham um brilho imenso e partilho esse tempo delicioso sempre com a minha família. O JP adora passar o tempo a exercitar-se, gosta de brincadeiras vigorosas e puxa pelo seu próprio corpo delicado até à exaustão. A felicidade de cada dia conseguir mais um bocadinho faz com que solte gritos deliciosos e gargalhadas de felicidade contagiantes. O rostinho doce e cheio de vivacidade do meu menino ilumina-se num sorriso cheio de encanto e amor. Como são maravilhosos estes momentos, são só nossos e muito vividos! Neste clima de amor e sucesso, comemoramos incentivando e enchendo de beijos, aquele rosto de menino-bebé, e os abraços que trocamos são cheios de ternura, misturados ao aroma tão familiar e tão nosso, o cheirinho do nosso JP. Se o nosso menino não nasceu com as mesmas oportunidades de outros...ele conquista-as ! Feliz, amado e mimado, ele quer muito viver e luta por conquistar o seu lugar no mundo. E eu, quanto aprendi nestes dois anos e meio, sobre preserverança, paciência e sentimentos ! Obrigada, JP, por me fazeres sentir assim tão feliz.

sexta-feira, junho 15, 2007

Nomeações...blogs com Tomates e outros !


Fui Quadruplamente nomeada "Blog com Tomates"
Nomeada por Criancices, por esta minha amiga, que escreveu o seguinte sobre as razões para nomear este blog : porque com tantas dificuldades vai derrubando barreiras e preconceitos e mostrando a todos que com preserverança e amor as barreiras e as pedras no caminho servem para construir o castelo!

Obrigada, minha linda...(fiquei vermelhinha que nem um tomate), por esta que tenho mesmo de retribuir...e ainda pela Vanessa. Por este docinho recebi uma nomeação que já tinha recebido (thinking blogger) . Obrigado também. Antes de nomear outros quero reflectir: será que me acham corajosa?

Talvez...
Não sei se sou assim tanto...
Mas sei que com o nascimento do JP me tornei muito mais do que era.

Quantas de vós seriam diferentes ? É verdade que nem toda a gente consegue ver a beleza das situações difíceis que a vida nos impõe, mas acredito que aos poucos se vão destruindo estereótipos de que "a vida torna-se dramática" se as coisas correrem menos bem...não, não se torna obrigatoriamente triste. Simplesmente como referi nesta História tão linda que se descobrem outras paisagens. Poderei ter a hipótese de conhecer paisagens mais comuns...as desejadas. Mas neste momento apetece-me curtir estas em pleno. O meu menino é um Grande desafio da minha vida. No fundo é só um avião sem piloto automático !

Bem, cabe-me a mim agora escolher 5 blogs. Os critérios não têm a ver com preferência, mas sim, quem acho que tem um blog com tomates.
Ora, os meus nomeados são:


A minha querida amiga Maria (um blog e uma mulher com muita coragem)




Uma história de amor

Cabe agora a estas meninas escolher 5 blogs...Bjs e bom fim de semana.

quinta-feira, junho 14, 2007

Lista de sustos

Este é um daqueles post inúteis e em forma de retrospectiva. Durante todo este tempo, tivemos uma lista de preocupações relativas ao JP acrescidas à óbvia (Paralisia cerebral) que não vieram a concretizar-se e foram fases que passaram. Mas para que um dia possa recordá-las, aqui vai o que já me faz suspirar de alívio:

- Não vir a comer sem ajuda de uma sonda. Passou no 2º dia.
- O tremelique nos olhos até aos 5/6 meses. Passou. Ainda pensaram ser epilepsia ou nistagmo. Em principio era normal, talvez seja até de família. As hipóteses de vir a ter epilepsia são iguais às de qualquer um de nós.
- Ver mal. TOTALMENTE falso. Nunca houve razões para pensar isso.
- Sem dentes (só nasceram por volta de 1 ano e fui eu que estupidamente estava a ficar preocupada!!!) Passou ! Eh,eh..
- Dentes de baixo desalinhados com os de cima. Já está tudo na normalidade. Passou. Devia ser uma fase.

Enfim...adorava acrescentar tantas coisas a esta lista e preencher uma folha A4 e com letra pequenina.... Vamos dar tempo ao tempo e esquecer ansiedades... Agora digam, é possível eu ainda ser normal ?
Quem quer deixar aqui os seus sustos mais palermas ? Força. Talvez me sinta mais normal...

Da próxima vez é que vou falar das minhas nomeações: BLOGS COM TOMATES ! Fui duplamente nomeada.

terça-feira, junho 12, 2007

Noite de Santo António

Foi em 2004, a última vez que fui para Alfama comer sardinhas, chouriço assado e beber Iced Tea (estava grávida do JP). Desde então nunca mais se proporcionou desfrutar de uma bela e louca noite de santos populares. Esta época do ano reveste-se de magia, porque noites quentes e de festejos, sempre me fazem lembrar da altura em que conheci o meu marido e da nossa louca paixão de adolescentes. Fazem-me lembrar também que as férias estão a chegar. Já me imagino na praia, na piscina...encontros com os priminhos do JP, brincadeiras à beira mar. Almoços de peixe grelhado e saladas, pouca roupa, sestas depois do almoço...jantares tardios, livros para ler, conversas à meia noite na varanda...muita e boa música como banda sonora.
Preciso disso. Este ano foi muito mais tranquilo em termos emocionais, mas desgastante profissionalmente. Em Setembro vislumbram-se eventuais mudanças de fisioterapeuta e está a deixar-me também com uma enorme ansiedade, porque em 2 anos e meio estabeleceu-se da nossa parte uma ligação especial com a técnica e amiga de família e sabemos que dificilmente estaríamos melhor...

Por isso, o que mais preciso é de descontrair, esquecer tudo e divertir-me muito com os meus homens. Resta-me pensar que já faltou mais...

Bom Santo António.


Próximo post: Nomeações !!!

quinta-feira, junho 07, 2007

Já ninguém o pára

Quem deu pilhas novas para o meu menino ? É só energia e entusiasmo. Greve às sestas da tarde (só se for embalado no carro). Percorre a casa toda em jeito de arrasto, de forma pouco convencional. Anda eufórico. Eu com situações novas...as tomadas da electricidade, as esquinas, etc...Até que enfim ! Oxalá continue assim preocupada, pois não me importo de ter estas preocupações.

" Então é assim"- Passou-me ao lado a polémica

Fiquei a saber por um blog que passou “Então é assim”: uma co-produção dinamarquesa-canadiana, um filme de animação para crianças, que ensina tudo o que os mais novos precisam de saber sobre como se fazem bebés.
Numa acção inédita, a RTP2 criou as condições para que os telespectadores pudessem decidir se queriam ou não que os seus filhos vissem o filme sobre educação sexual para crianças que passou no dia 1 de Junho. Para isso passou no dia anterior, 31 de Maio pelas 11.30 h e com debate de ideias. Pareceu-me uma boa iniciativa. Quem quis deixou...quem não quis, não deixou. É justo. Parece-me, a julgar quantidade de comentários deixados que gerou polémica...
Se quiserem ver http://multimedia.rtp.pt , procuram em VIDEO - data 31-05-07 e clicam em sociedade civil (2ª parte). Parece-me que o JP ainda vai preferindo o Noddy e o Ruca...mas há-de chegar o dia que começará a fazer perguntas...

terça-feira, junho 05, 2007

A infância no princípio do sec. XXI

Gostaria tanto quanto possível que o JP tivesse uma infância parecida com a minha. Inevitavelmente sei que não a terá. Será muito diferente.
O concelho onde morava e ainda moro era arredores longínquos da grande capital. Existiam quintas. Respirava-se ar puro. Ia comprar leite para a família ao final do dia, acabadinho de mugir da vaquinha e levava uma moedinha no bolso. Divertia-me com brinquedos em segunda ou terceira mão dos meus irmãos. Brincava com terra, ia de bicicleta para todo o lado.
Para a escola era a pé, levada pelo avô, só até atravessar a estrada. Depois sozinha ou com coleguinhas. Se chovesse nada se alterava. A pé na mesma. A saltar pocinhas. As doenças curavam-se a maioria espontâneamente. Os Verões eram tórridos e nadávamos em tanques das quintas dos amigos ou íamos de bicicleta para a praia, todo o dia com algumas sanduiches no saco, fruta e sem factor de protecção solar.

Agora estamos dentro da grande capital. Tudo se pega. Bairros intermináveis, surgindo a cada instante. Para ver vacas temos de ir a uma quinta pedagógica. Para ir à praia levamos carro e não temos onde estacionar. Mas moro a menos de 2 kms do sítio onde sempre morei...

Não me imagino com tempo para levar o JP a pé para a escola. E moramos mais perto do seu colégio do que eu morava da minha escolinha primária. Adoro vestir-lhe roupas bonitas. Leio em revistas as classificações pedagógicas dos brinquedos. Escolhi criteriosamente a cadeirinha mais segura para o carro. Eu nunca usei uma...
Gosto de beneficiar da múltipla hipótese de escolha da zona de Lisboa e ir ver um teatrinho ou concerto para bebés...

E fico a pensar...como podia a infância dele ser parecida com a minha ? Que gosto terá? Conseguirei algum dia deixá-lo a brincar sem vigilância na rua ? Conseguirei ter uma atitude descontraída como a que os meus pais tinham ?

Em criança eu seria como uma roseira que floresce e lançava o meu perfume no ar, nunca me tendo preocupado se alguém o ia cheirar ou não. E assim era 100 % feliz.

Hoje penso, se conseguiria voltar àquele mundo tão simples ? E o JP, sentir-se-á tão leve e desprendido, como eu me senti? Será que actualmente conseguiria viver em harmonia no Portugal daqueles tempos? Porque será que quando nos tornamos adultos precisamos de tanto, para nos sentirmos felizes ? E porque nos tornamos tão exigentes, esquecendo o essencial ?