sábado, abril 17, 2010

FORMAÇÃO PARENTAL -PAIS EM REDE

Nestas sextas à noite e Sábados até Maio decorrem estas sessões que visam muitas coisas. Entre elas instruir-nos em como saber lidar com pais de crianças com deficiência que nos venham a procurar. Há muito tempo que faço algo parecido com isto, através do Blogue, mal ou bem...

Mas a forma como lêem este blogue tem-me levantado muitas dúvidas.
É preciso não esquecer que tudo o que escrevi desde há 4 anos atrás até hoje sofreu uma evolução. Hoje tenho opiniões que não tinha anteriormente. Hoje sei que os principais terapeutas são os pais, o amor incondicional e que uma criança pequena, não deve ser carregada de terapias que detesta e que ainda podem aumentar por exemplo o padrão de hiper-extensão e hipertónico. Deve fazer algumas, como o máximo prazer e evitar estes padrões. Mas sobretudo deve ser estimulada de forma relaxada e lúdica.

Hoje a sessão centrou-se muita na intervenção precoce. As opiniões não foram todas consensuais, como de resto acontece quando estão numa sala 30 pessoas diferentes, com diferentes "bagagens".
As idas a Cuba foram consideradas uma aberração. Lógico que como conselheira dificílmente enveredarei por aconselhar esse caminho (se me mantiver no projecto). Mas longe de mim excluí-lo, porque funcionou lindamente com o meu filho. E disse-o.
Mas também sei que muitas crianças não tinham a motivação necessária para trabalhar tanto e reagiam mal, outras despoletavam crises epilépticas (talvez pelo cansaço), outras recusavam-se até a comer. Como aconselhar algo tão arriscado a alguém ? Ainda por cima com tanto dinheiro envolvido ?
Mas não posso dizer que ir a Cuba é uma aberração, porque o trabalho que é feito lá, não é o mesmo que se faz cá. Não é! Nem as pessoas são as mesmas. Não foi a minha experiência. Ponto final. Cada um sabe de si....
O velho ditado: Faz o que te digo, não faças o que eu faço. Não aconselho....e pronto.
Mas eu vou, sempre que puder.

De resto, a interacção do grupo está a ser muito mais interessante. A heterogeneidade é grande. Há 4 pais que adoptaram crianças com deficiência, o que é extraordinário.
Enriqueço em cada sessão com a partilha e as matérias aprofundadas.

Mas começo a questionar se estas minhas partilhas ao público, têm alguma utilidade...ou se pelo contrário, influenciam negativamente algumas pessoas, stressando-as.
Cada caso é um caso. Este é apenas o nosso. Aquele que um dia o JP vai poder saber como evoluiu...como nos sentimos. Talvez comece a escrever só para nós....ainda está em reflexão.


8 comentários:

Anónimo disse...

Tenho que comentar.
As pessoas são livres de ler ou não ler o que escreves.... A mim já me fizeste rir, já me fizeste chorar (de alegria) pelas conquistas do JP. Eu, que nem vos conheço mas que vos admiro tanto e respeito se decidires não escrever mais aqui.

Bjos grandes
Ângela e Francisco

Grilinha disse...

Ângela, sempre pensei estar a passar um testemunho positivo, desmistificação e até sensibilização para mães e pais que tem filhos diferentes. Mas hoje em dia, as pessoas vêm o testemunho e não tenho a certeza das suas sensações. Não o vêem como um final feliz. Para mim, este já é um final feliz.....mas nem todos o conseguem ver....
E neste curso de formação parental deu-me para reflectir muito...
Partilhar estas informações pareceu-me sempre positivo. Hoje não tenho tanta a certeza.

Anónimo disse...

Olá!

Não vejo razão para as pessoas acharem uma ida a Cuba, uma "aberração". Claro que há pessoas que podem aguentar ou não, o ritmo.
Sempre quis encontrar alguma coisa que me fizesse melhorar mais.
Beijo
Joana

Mina disse...

Grilinha
A decisão está nas tuas mãos e acho naturalissímo essa tua reflexão, eu também tenho questionado muito a manutenção do nosso blogue, que alías seria algo que eu nunca teria tido iniciativa de fazer e partiu do meu rapaz que não lhe deu continuiedade.
Porque eu tinha feito outro tipo de partilha até mais completa em testemunho pessoal que coloquei a disposição, mas que nunca foi publicado parecia que estariam a servir os meus interesses (com a totalidade dos direitos cedidos).
No fundo confesso até fiquei aliviada por não ficar exposta e de consciência leve.
O meu caminho já está feito, poucas novidades tenho a esperar, agora é mesmo só partilhar, com quem quiser aceitar...Não são receitas mágicas, são vivências...
E nenhum blog é consultório médico nem as experiências são iguais...
bjocas

Grilinha disse...

Pois, é mesmo essa a questão, Mina. A tendência de cada vez mais as pessoas procurarem informação na net, pode levá-las a ver casos que nada têm a ver com o seu, (para o bem e para o mal). É importante ter a consciência que este JP é único e teve experiências únicas. Nada mais se pode concluir....

A minha vontade sempre foi partilhar, tal como quando passeio pela rua....o faço com naturalidade, sem pensar quem anda a espreitar e o que pensa. Quem nos vê na rua, vê uma mãe e uma criança especial, a fazer exactamente o que fazem as outras: passear....

Aqui registo cada evolução. como cada mãe o faz.....só isso.

Marylight disse...

Olá Grilinha!
Todas as pessoas têm direito à sua opinião, é certo e o que tu aqui fazes no teu blog é fantástico. Quem aqui vem não tem de tomar como exemplo, porque como tu dizes cada caso é um caso... Olha o meu Tiagão, dizem que os meninos com T21 são super-coperantes, etc...ele nunca colabora é muito dificl e no entanto na +ultima consulta de oftalmologia portou-se lindamente (como tb pudeste ver, já vi que deixtas-te comentário). Digamos que este blog é o teu diário aberto, só o lê quem quer, quyem não gosta, pois faça o favor de não voltar...
Eu gosto e venho sempre aqui ler as tuas novidades. És uma MULHER de garra e desejo-vos o Melhor do Mundo!

Néa e Arthur disse...

Eu sou suspeita em falar pois bem sabe como amo esse espeaço e como aprendo lendo aqui.Ninguém é igual a ninguém e cada um superar as suas deficiências de modo diferente.Falo por mim que cresço em ler-vos.Através do tei blog criamos uma amizade um elo muito forte!
Muito obrigada por tudo!!!!!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Sou Mãe de 2 meninos lindos com quase 3 anos e quase 1, são saudáveis, sem qualquer problema de maior, mas eu venho aqui pelo menos uma vez por mês buscar no exemplo de uma Mãe coragem a força para o dia-a-dia. Acho que este blog contribui muito para desmestificar a diferença, para não termos medo de algumas coisas que o dia a dia nos pode trazer.
Por isso só posso deixar um beijinho muito grande e um muito Obrigada pela capacidade de partilha da ~Mãe Grilinha e do seu JP
Beijinhos
Maria Ana